domingo, 26 de outubro de 2008

Dois Olhos Negros - Lenine



Queria ter coragem de saber

O que me prende?

O que me paralisa?

Serão dois olhos

Negros como os teus

Que me farão cruzar a divisa


É como se eu fosse pr'um Vietnã

Lutar por algo que não será meu

A curiosidade de saber

Quem é você?


Dois olhos negros!

Dois olhos negros!


Queria ter coragem de te falar

Mas qual seria o idioma?

Congelado em meu próprio frio

Um pobre coração em chamas


É como se eu fosse um colegial

Diante da equação

O quadro, o giz

A curiosidade do aprendiz

Diante de você


Dois olhos negros!

Dois olhos negros


O ocultismo, o vampirismo

O voodoo

O ritual, a dança da chuva

A ponta do alfinete, o corpo nú

Os vários olhos da Medusa


É como se estivéssemos ali

Durante os séculos fazendo amor

É como se a vida terminasse ali

No fim do corredor


Dois olhos negros!

Dois olhos negros!

Dois olhos negros!

Dois olhos negros!

3 comentários:

Chay Fernandes disse...

Meu amor pelo Lenine é recente. Antes eu só gostava, de longe. E é culpa da Dô, que ama o Lenine desde que me lembro que somos amigas.

Essa música chamou minha atenção um dia desses. Mas recente ainda foi a percepção que o olhar intimidador do miguxo, combina bem com a proposta poética do artista.

Foi só unir a leitura útil com o visual agradável! ;]

Pin Up disse...

Me parece uma perfeita união...

:)

:*

Dolores disse...

"Eu não alimento nenhuma ilusão
Eu não sou como o meu semelhante
Eu não quero entender
Não preciso entender sua mente
Sou somente uma alma em tentação
Em rota de colisão
Deslocada, estranha e aqui presente..." Lenine

Que olhar é esse gente!?!?!?!=D