quarta-feira, 18 de junho de 2008

Gibran Kahlil Gibran



Amai-vos...

Amai-vos um ao outro,

mas não façais do amor um grilhão.

Que haja, antes, um mar ondulante

entre as praias de vossa alma.

Enchei a taça um do outro,

mas não bebais da mesma taça.

Dai do vosso pão um ao outro,

mas não comais do mesmo pedaço.

Cantai e dançai juntos,

e sede alegres,

mas deixai

cada um de vós estar sozinho.

Assim como as cordas da lira

são separadas e,
no entanto,

vibram na mesma harmonia.

Dai vosso coração,

mas não o confieis à guarda um do outro.

Pois somente a mão da Vida

pode conter vosso coração.

E vivei juntos,

mas não vos aconchegueis demasiadamente.

Pois as colunas do templo

erguem-se separadamente.

E o carvalho e o cipreste

não crescem à sombra um do outro.


4 comentários:

cassio disse...

Muito bom esse texto,
com essa sociedade capitalista em que vivemos, o individualismo é exarcerbado, infelismente...
Se poder dar uma passadinha no meu blog, agradeço desde já!
http://oediporei.zip.net/

Chay Fernandes disse...

Eu precisava comentar algo sobre isso... mas na verdade...

o texto do Kahlil já diz tudo... só me disse menos do que a imagem ...

Tanta métrica não nos deixa inflexíveis demais?

Elimar Renner disse...

Belo texto, retrata bem o assunto.

valeu...

caio arroyo disse...

O mundo virou uma guerra sem fim, em que todos ao seu lado se tornam inimigos sem ter opção. Dai acontece isso o individualismo prevalece e todo mundo pensa que é dono do mundo